A PROCISSÃO DO SENHOR DOS PASSOS


A Procissão do Senhor Jesus dos Passos, em Florianópolis, pouco mudou durante todo este tempo. Apresenta três momentos importantes :

1 - a lavação da imagem:

Quinze dias antes da Sexta-Feira Santa ocorre a lavação da imagem do Nosso Senhor Jesus dos Passos. Este ato é realizado por duas crianças menores de seis anos que passam um pano embebido em água perfumada nos pés, rosto e mãos da imagem. Em seguida, ela é preparada e vestida por quatro senhores, membros da Irmandade.

Esta água perfumada e benta é distribuída entre as pessoas que a procuram para a cura de algum mal.

2 - a transladação:

No Sábado da quinta semana da Quaresma, após a celebração da missa às sete horas da manhã, acontece a Procissão do Carregador.

Começa com a mudança das alfaias, que compreendem vários objetos utilizados na Procissão como castiçais, mesas, suportes, escadinha da Verônica, baús, crucifixos, etc, da Capela do Menino Deus para a Catedral, de onde sairá, no dia seguinte, a Procissão do Senhor Jesus dos Passos.

No mesmo dia, a noite, são transladadas as imagens de Nosso Senhor Jesus dos Passos (às 20:00 horas) e Nossa Senhora das Dores (às 21:30 horas) com expressivo acompanhamento de Irmãos e devotos.

3 - a procissão propriamente dita:

A Procissão do Senhor Jesus dos Passos representa um momento de profunda religiosidade popular, particularmente visível nos símbolos e rituais da preparação e celebração.

Contagia todo o povo católico do mundo, a devoção ao Senhor Jesus dos Passos, como se comprova com a multiprocissão, no caminho de sofrimento, crucificação, morte e ressurreição de Cristo, passagem que se revive durante a Semana Santa, segundo o Calendário Litúrgico da Igreja Católica.

Saem da Catedral Metropolitana de Florianópolis a Imagem do Nosso Senhor Jesus dos Passos e a Imagem de Nossa Senhora das Dores fazendo trajetos diferentes. O cortejo é aberto por um estandarte, chamado Guião, onde se lê a sigla S.P.Q.R. - Senado de Todo o Povo Romano - e segue, então, restituindo os passos do Calvário, numa representação da "Via Crucis".

Grande é o número de populares e autoridades que acompanham a secular Procissão. Integram o cortejo pessoas da comunidade representando as figuras de José de Arimatéia, Nicodemus, São João, Maria Mãe, Maria Madalena, Simão Cirineu, Três Beús e a Verônica, que acompanharam Cristo em direção ao Monte Calvário.

Junto ao cortejo verifica-se, também, a presença de pessoas "pagadoras de promessas", numa comovente atitude de fé e amor ao Senhor Jesus dos Passos. No decorrer da Procissão, acontecem algumas paradas, chamadas de "estações da Via Crucis". É neste momento que Verônica canta anunciando a dor de Cristo. Após o canto, a matraca (instrumento de madeira e ferro) é tocada e o seu som é o sinal para dar prosseguimento ao cortejo.

Ao atingir a Catedral Metropolitana, dá-se o comovente "Encontro" das duas imagens: Nosso Senhor Jesus dos Passos - o Filho - e Nossa Senhora das Dores - a Mãe, de onde é proferido o "Sermão do Encontro" por autoridade eclesiástica especialmente convidada. Após este ato, as duas procissões se unificam e seguem em direção à Capela do Menino Deus, no Morro da Boa Vista, simbolizando o Monte Calvário.

Fonte: Hospital de Caridade - Irmandade do Senhor Jesus dos Passos
(
http://www.hospitaldecaridade.com.br/irmandade/aprocissao.html)